02/02/14

Dando algum enquadramento à tradição da praxe...

O PRAXISMO-JAVARDISMO
Antes da REACÇÃO contra a revolução do 25 de Abril de 1974, não havia praxe em Lisboa. O espírito crítico de um escol cultural, prevalente na Universidade, tinha padrões exigentes. Ensino superior não queria dizer ensino inferior. Era uma elevação sobre a miserável circunstância dominante. A praxe era considerada – e bem -- COISA DE LABREGOS.
Em Coimbra, nos anos sessenta, após as críticas corajosas de Flávio Vara (“ O Espantalho da praxe…” 1958) e a chegada de uma geração mais desempoeirada, a praxe quase desapareceu. Reinstalaram-na depois com todo o seu fétido programa passadista.
A praxe é o abraço alcoolizado entre o ricaço marialvão, abrutalhado e analfabeto e o povoléu boçal e trauliteiro, folclorizando o servilismo medieval em vestes eclesiásticas. Ao fim e ao cabo, o velho Portugal alarve, mendigo, medievalóide e agachadinho, mas de telemóvel em riste.
Não se ponderem gradações entre um medievalismo civilizado e um medievalismo excessivo. Toda a praxe é desprezível. No estado a que as coisas, desgraçadamente, chegaram, proibir seria contraproducente. Mas há muitas formas de desencorajar. E os professores – que têm sido, aliás, de uma distracção cúmplice (mea culpa) – sabem isso bem.
Oxalá os estudantes se dêem conta de como foram inferiorizados e transformados em «jovens velhinhos» por uma súcia rasca.
Tanto mais que a situação assume contornos sinistros e mafiosos. Ao que parece, com “omertà” e tudo. Um atavismo lusitano vem fazer de hífen entre a tradição siciliana e o nórdico Nacional-Socialismo.
Pior que mera COISA DE LABREGOS.


O texto é do Mário de Carvalho.

4 comentários:

alexandra g. disse...

Abençoado (só faltou falar daquilo dos tipos dos aventais e estou a falar a sério) Mário de Carvalho.

F.A. disse...

A sabedoria popular, por via dos provérbios, explica muita coisa.
É o caso deste:

"Quem quiser ver um pobre soberbo, dê-lhe a chave de um palheiro."

Este infeliz caso vai durar o tempo que os media acharem útil.
Depois outro aparecerá e este problema terminado este entusiasmo voltará exactamente ao mesmo.

Para quem duvide reveja o asqueroso programa que a RTP transmitiu com meia dúzia de Duches ou equivalentes.
Aqueles labregos defendiam lá a cartilha como um livro sagrado.

joão viegas disse...

Grande texto !

Jose Catarino disse...

Grande texto. Correcto e acutilante. Infelizmente parece que muitos dos jovens querem ser maltratados... E usarem as tais vestes eclesiásticas.